Gruta Novo Tempo

 O Ecoturísmo, segundo a definição oficial brasileira, elaborada pelo Grupo de Trabalho, Política e Programa Nacional de Ecoturismo, “é um segmento de atvidade turística que utiliza de forma sustentável o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambiental através da interpretação dos ambientes, promovendo o bem estar das populações envolvidas.”

Localização e Acesso

– Latitude: 21° 48’ 865 S
– Longitude: 42° 11’ 901 W

Situa-se na Serra das Águas Quentes, Boa Sorte, Cantagalo – RJ

 Partindo-se de Cantagalo, toma-se a Rodovia RJ-152, com destino à Boa Sorte. Até aí são 26,6 km, sendo que 21,3 km asfaltados e os outros 2,3 km, estrada de chão. No rumo desta rodovia, seque-se no sentido de Chave do Pires, em torno de 8 Km. Após este percurso, dobra-se à direita e atravessa-se uma porteira, percorrendo +/- 1.500 m, o equivalente à uma caminhada de +/- 1:00h morro acima, partindo-se da cota 140 até a entrada da gruta situada numa cota de aproximadamente 400 m de altitude.

Descrição
Essa gruta nos chamou a atenção pelas suas peculiaridades, destacando-se:
– As suas dimensões;
– A sua beleza interior e exterior
– As artes cênicas (figuras) presentes;
– O distanciamento das detonações das explorações das jazidas de mármore, para fabrico de cimento;
– A diversidade do seu entorno (rio, matas, …)

 Situa-se na cota +/- 400 m de altitude e apresenta as seguintes dimensões internas:
Entrada principal superior:

Comprimento: +/- 140,0 m não contínuos
Largura: +/- 4,0 m
Altura: +/- 3,0 m

Entrada secundaria inferior:

Comprimento: +/- 30,0 m
Largura: +/- 14,0 m
Altura: +/- 2,5 m

Observa-se a existência de salões no seu interior, com supostas estalactites. Nas paredes laterais, vez por outra, o mármore apresenta forma de figuras e/ou desenhos naturais, impondo ao cenário uma beleza que faz o despertas dos nossos olhos. Destacou-se no conjunto, um mosaico de forma indefinida, lembrando percolação de água e formação de pequenas lagoas, ocorrente na passagem do salão superior para o inferior, logo na entrada da gruta, sugerindo cascatas.

 Há de se considerar que desde a entrada da gruta até o seu final, todo o percurso é feito sem obstáculos, permanecendo o visitante em pé durante o tempo. Apenas, convém esclarecer que os salões existentes ao longo da gruta ( +/- 140 m ) são separados por paredões de mármore em formas indefinidas interligados entre si, naturalmente, por enormes fendas na própria rocha.

Na oportunidade, foi possível fazer uma avaliação rápida do ecossistema da região, o qual apresenta-se razoavelmente preservado, sem degradaçoes significativas, onde há presença de vegetação primaria, flora e fauna nativas. Completa-se, por comportar pastagens com gados bovinos e eqüinos. Merece especial consideração a drenagem de águas límpidas e correntes que flui num vale, próximo à gruta, que é um fator positivo, caso haja perspectiva de viabilizar o empreendimento (ecoturismo), uma vez que constitui mais um atrativo a ser oferecido à sociedade.

Notou-se, ainda, que no interior da gruta há muitos detritos orgânicos provenientes do gado e dos morcegos, associados a um material fino (argila), denotando um estado de abandono (sujo), decorrência não só da decomposição natural do material, mas, também, pela distância mantida com o homem, ou seja, ser praticamente desconhecida face ao seu difícil acesso.

Finalmente, o caráter genérico e preliminar do trabalho contribui para que não dispuséssemos de instrumental próprio, mesmo porque não há disponibilidade no Órgão. Por esta razão, utilizamos lanternas pouco potentes que dificultaram sim, mas, não impediram a visualização e o estudo superficial a que se propõe o nosso trabalho.

Diagnóstico Ambiental e Avaliação do Potencial Turístico da Gruta Novo Tempo